Uma demissão que viraram três meses de Europa

Todo ano, desde 2008, nas férias programamos de conhecer um lugar novo, dessa vez seria três meses de Europa… No final do ano passado meu marido recebeu a notícia que seria desligado da empresa, a hora era agora.

Meu nome é Flávia Fernandes Lang, tenho 33 anos e sou natural de Ponta Porã-MS, mas moro em Dourados-MS. Essa foi a nossa viagem de 2015, saímos do Brasil no final de Maio e voltamos no fim de Agosto. Foram três meses de Europa, nosso objetivo era conhecer novas culturas, vivenciar o cotidiano das pessoas, relaxar, desligar-se dos problemas…

Qual foi a principal dificuldade encontrada?

Acho que a principal dificuldade encontrada foi no planejamento da viagem. Afinal não seriam 3 dias, 30 dias, e sim 90 dias. Como nossas viagens sempre planejamos sozinhos, sem agência de viagens, o roteiro da sequência de países que queríamos visitar foi o mais complicado.

Tivemos que mudar umas 3 vezes, cortamos países que não daria pra chegar de trem (que foi nosso meio de transporte utilizado) e outros que ficaríamos mais tempo dentro do trem do que na própria cidade!

Meu marido fez uma apostila com todas as reservas dos hotéis, mapa da estação de trem até o hotel, se teríamos que pegar ônibus, trem, metro. Isso nos custou muito tempo. Nessa parte que a Chel e o Leo (do Viajo logo Existo) nos ajudaram muito! Dúvidas com visto, dinheiro… Sempre nos respondiam com a maior paciência do mundo! Seremos eternamente gratos…

Você já falava a língua do país? Como foi essa adaptação nesses três meses de Europa?

Meu marido se “vira” no inglês, e eu como nasci em uma cidade que faz divisa com o Paraguai, entendo e também sei me virar no espanhol.

Mas isso nunca foi uma barreira pra nós. Viajamos na cara dura mesmo, qualquer coisa corremos pro tradutor no celular!!Lógico que ás vezes perdemos de bater aquele papo com um local, com outros turistas estrangeiros, mas no final nos viramos bem.

O que foi o mais gostoso de estar na estrada?

Acho que o mais gostoso de estar viajando é não ter horário pra acordar, pra dormir. Não ter compromisso. A única coisa é aproveitar, sem pressa. Como estávamos com um passe de trem que podíamos andar de trem todos os dias, quantas vezes quiséssemos. Ir de um país pra outro. Se conhecíamos tudo que queríamos em determinada cidade, olhávamos um aplicativo que tínhamos com os horários de trem, e aproveitávamos e íamos pra outro lugar.

Fizemos muitos bate-volta. Como quando chegamos em Berna na Suiça. No dia seguinte ao que chegamos seria feriado, e a cidade já estava uma paradeira, já tinha pesquisado cidades pra conhecer próximas a Berna e fomos pra Colmar-França. Uma típica cidadezinha do interior, uma grata surpresa. Fomos cedinho e no final do dia estávamos de volta.

E o que foi o mais difícil?

O cansaço nos pegou depois de uns 60 dias de viagem. Como fazíamos praticamente tudo a pé e o calor estava insuportável, tinha dias que eu queria ficar quieta, sentada, descansando. Isso sem falar nos dias de TPM. O pior que era raro nos hotéis ter ar condicionado. O calor pra mim, que prefiro frio, foi muito difícil.

Você foi sozinha ou acompanhada para esse três meses de Europa? Daria para ir sozinha?

Fui com meu marido Marcelo.

Eu não viajaria sozinha, sou muito medrosa, tímida. O Marcelo que sempre tomou a iniciativa de viajar. Mas vimos várias mulheres viajando sozinha, mãe e filha…E sim, se você é destemida, aventureira, dá pra ir sozinha. Os cuidados são sempre os mesmos. Em qualquer lugar que você vá sozinha ou acompanhada, não marcar bobeira!!rsrs

O que te preocupava antes dessa viagem de três meses de Europa?

Acho que o que mais me preocupava antes, primeiro era o avião, muitas horas de viagem e como disse sou muito medrosa, tinha medo de ficar doente, de acontecer alguma coisa, de ser assaltada, de perder o trem, de ter um atentado terrorista…

O que fez para diminuir essas preocupações?

Procurava sempre relatos de viagem na internet e via que era raro, muito raro, essas coisas acontecerem… Pensava no lado bom, de estar conhecendo lugares que nem nos meus melhores sonhos pensava que iria conhecer!

Quando já estava na viagem, essas preocupações fizeram sentido?

Em todas as cidades perguntávamos se era seguro andar de noite. Se tinha algum lugar que era perigoso (coisa de brasileiro), lógico que depois de um certo horário pediam pra termos mais cuidado, mas foi super tranquilo.

Só na Itália que tivemos um probleminha com um homem que perguntou que horas era pro Marcelo, sendo que ele nem usa relógio, o Marcelo ignorou, pois pensou que o cara não estava perguntando pra ele, e o cara não satisfeito nos seguiu e quis tirar satisfação, nos encarou e tudo…achei um absurdo (isso foi em Florença).

Em Veneza evitamos ficar até tarde na rua, pois nos perdemos naqueles becos e tinha lugar que era vazio…Também achei que a segurança nas estações de trem muito fraca,  Qualquer um pode entrar com bomba, armas…só revistam de Paris pra Londres e vice-versa.

A melhor coisa de três meses de Europa?

Gosto do ditado que vi uma vez “viagem é a única coisa que você compra e te deixa mais rico e as pessoas não fazem a viagem, a viagem faz as pessoas”.

2017-07-26T07:59:14+00:00