Fazendo amigos em uma volta ao mundo

A internet e a globalização trouxeram mais amigos que não são amigos. Ao contrário dos números que aparecem nas redes sociais, é fácil fazer muitos amigos em uma volta ao mundo. Alguns deles, amigos por um dia, outros amigos para uma vida.

Hoje a Rachel tem mais de 2.000 pessoas em seu Facebook. Boa parte ela não conhece. Outra parte, conhece mas não tem nada em comum. Há aqueles que não fazem parte do seu ciclo e provavelmente ela nunca fiz uma ligação para essa pessoa. Afinal, quem faz ligação hoje em dia? Em tempos de whatsapp, instagram e snapchat com certeza as pessoas que te ligam são realmente as pessoas próximas.

Novos e intensos amigos em uma volta ao mundo

De qualquer forma, a viagem proporcionou que a Rachel e Leo fizessem novos e intensos amigos. Acabaram ficando muito na casa das pessoas. Pessoas de diferentes lugares do Brasil, diferentes lugares do mundo e diferentes formações. Tudo isso os proporcionou um enriquecimento fantástico!

Teve pessoas que eles encontraram mais de uma vez na viagem. Por exemplo, os dois irmãos gregos que conheceram em Lima, no Peru. Eles viajavam de férias pela América Latina. Na Grécia, Chel e Leo acabaram ficando na casa deles.

O mesmo aconteceu com o alemão Toby, que o casal conheceu na Nicarágua. Meses depois ele os recebeu na Alemanha. Novos amigos que terão sempre as portas da casa Spencer aberta, onde quer que ela seja.

Reencontrar antigos amigos durante a viagem

Mas mais do que fazer novos amigos, a viagem também proporcionou reencontrar os antigos amigos. Na Inglaterra,  eles passaram o Natal com a Dani, uma amiga da escola que a Rachel não via há 15 anos. “Foi uma sensação muito boa! Ainda mais no Natal”, comenta Chel.

Depois eles ainda voltaram e passaram uma semana com ela e sua família. A mãe da Dani viu a Rachel pequena. Anos depois, elas estavam ali, juntas, comemorando o Natal juntas. “Foi uma mistura de atualizações das histórias novas com memórias de quando éramos pequenas… Tudo isso graças a viagem”, relembra.

O encontro em Abu Dhabi

Em Abu Dhabi, Rachel teve outro encontro fantástico. Anelise é filha de uma amiga da mãe da Rachel. Apesar de hoje a diferença de idade entra elas não ser grande, na época em que Rachel morava em Dourados no Mato Grosso do Sul, Anelise era jovem e Rachel uma pirralha.

Anelise foi morar na Itália e apesar de ir visitar a mãe da Rachel quando ia para Dourados, as suas nunca mais se viram. Foi uns 15, 16 anos sem se encontrarem. Em Abu Dhabi, elas só tomaram um café. Porém, ficou aquela sensação boa, de que elas se conheciam desde sempre e que tinham muito para conversar.

A amiga de infância

E por último, mas não menos importante. Anos atrás, Rachel recebeu um e-mail, de uma pessoa que seguia a viagem e que já tinha os livros. Um dia, lendo um post específico, ela disse que começou a gritar em casa para o marido dizendo: “conheço ela, é minha amiga de infância!”. E ainda complementou: “A gente se adorava… Eu morava na frente da casa dela”.

“Eu fiquei tão feliz de receber esse e-mail! Era uma pessoa que vivia grudada comigo quando eu tinha 7, 8 anos depois de mais de 20 anos”, relembra Chel. O reencontro entre as amigas de infância ainda não aconteceu, mas vontade não falta.

“Com certeza esse reencontros foram marcantes, com tanto tempo vivendo na estrada e longe do Brasil nos esforçamos bastante para manter os vínculos com as pessoas queridas e também com os novos amigos da estrada”, diz Rachel. Até porque, em última instância, são as relações pessoais são as que mais importam. E os amigos em uma volta ao mundo é uma das melhores partes da viagem.

Rachel Spencer

A Rachel fez uma volta ao mundo de carro de 2013 a 2016 passando por 78 países. Se quiser acompanhar mais da viagem, é só acessar o Viajo logo Existo.

2017-08-06T10:06:14+00:00