Nova Iorque sozinha: meu presente de 30 anos

A Roberta tinha um sonho e no seu aniversário de 30 anos resolveu realizar! Embarcou para Nova Iorque sozinha, em pleno inverno, onde esperava ver neve pela primeira vez!

Sempre sonhei conhecer vários lugares, mas nunca colocava em prática por não ter companhia. Mesmo quando estava namorando não conseguia porque as férias e/ou finanças não batiam. De todos os sonhos que eu tinha, um tinha desde criança: conhecer Nova Iorque com neve.

Em janeiro de 2015 completei 30 anos e decidi me dar de presente de aniversário uma viagem para Nova Iorque sozinha.

Cheguei numa quinta-feira à noite, dois dias antes do meu aniversário, e fiquei hospedada em um hostel no Harlem. O taxista que me levou do aeroporto até o hostel perguntou o que eu estava fazendo em Nova Iorque naquele frio e eu respondi que meu sonho era conhecer a neve e aqui. Ele riu e disse que já não nevava havia uns dias e a previsão não era de neve para os próximos dias.

Eu respondi: eu tenho fé! Ele riu.

Cheguei e fui procurar um lugar pra comer. Já era quase 22hrs e fazia 16 graus negativos e só achei um bar/restaurante aberto. Fiz amizade com um pessoal que me fez a mesma pergunta que o taxista e disseram a mesma coisa: não nevaria nos próximos dias.

Dei de ombros.

Contra qualquer previsão

Acordei às 7 na manhã seguinte e, como uma criança que espera pelo Papai Noel, corri pra janela.

Nevava.

Desci, pedi à recepcionista que tirasse uma foto minha na rua e, menos de 10 minutos depois, parou de nevar. Eu estava tão eufórica que nem me agasalhei. Acho que dá pra ver o frio no meu rosto…Dali em diante a temperatura só subiu.

Dali pra frente eu tive certeza que essa viagem seria incrível! Conheci gente de vários lugares do mundo, inclusive um carioca como eu, que frequenta os mesmos lugares que eu no Rio de Janeiro, mas estava sozinho em Nova Iorque também.

No dia do meu aniversário, esse carioca e um argentino compraram cervejas e pizza, juntaram a galera e nos reunimos no hostel pra comemorar. Como eu disse, eram pessoas de vários lugares do mundo e cada um deles cantou “Parabéns pra Você” no seu idioma. Foi legal demais!!!

Com certeza, se eu não estivesse sozinha, a viagem teria sido completamente diferente e eu teria me limitado a conversar somente com quem estivesse comigo…

Viajar sozinha, principalmente pra um lugar novo,  foi libertador!!!

Problema com o hotel

O único perrengue nessa viagem de Nova Iorque sozinha foi no último dia. O quarto feminino estava cheio e chegou uma menina nova. Por falta de organização da recepção, tinha uma pessoa a mais no quarto. Mesmo com a minha mala ao lado da cama e algumas coisas sobre o colchão, indicando que havia uma pessoa ali, essa menina nova escolheu a minha cama e deitou.

Quando eu cheguei da rua informei que aquela cama era minha e ela não quis sair. Pediu que eu aguardasse ela acordar.

Fui perguntar aos funcionários o que poderia ser feito e as duas opções eram: eu esperar uma das meninas que estava no quarto e que deveria estar no quarto misto chegar, ela recolher as coisas dela e ir pro quarto dela ou eu ir para o quarto misto. Como eu estava cansada e era a última noite, fui para o quarto misto, que só tinha eu e um inglês.

Era minha primeira vez na vida em um quarto misto e eu fiquei apavorada por estar sozinha com ele. Não dormi! Ele se movia na cama dele, do outro lado do quarto e eu entrava em pânico, rsrs.

No fim, deu tudo certo e eu fui embora feliz e contente.

Outro sonho: Grand Canyon

Ainda nas comemorações, depois de Nova Iorque, parti para Las Vegas. Outro sonho para realizar: Grand Canyon! Fiz um passeio de helicóptero que nos levou dentro do cânion. Foi tão emocionante quanto ver a neve!

Visitei cassinos, bebi de graça, assisti ao David Copperfield, vi muita gente louca, fortunas sendo torradas… Las Vegas, né?!

Acho super legal esse tipo de postagem. Sou tratada como um ET por algumas pessoas por viajar sozinha. Viajar para Nova Iorque sozinha foi a realização de um sonho e talvez, compartilhando essas aventuras, as pessoas vejam que não tem nada demais.

Por Roberta Klinsmann

2017-07-25T15:16:00+00:00